O Hernando Siles, principal estádio de La Paz, suplício dos brasileiros na Libertadores (Foto: Divulgação)

Nesta quarta-feira, o Santos vai encarar o The Strongest, em La Paz, com a intenção de garantir a primeira colocação do Grupo 2 da Taça Libertadores da América, o que vai ocorrer em caso de vitória. E é exatamente aí que está o problema dos santistas: ganhar na capital da Bolívia, com seus já famosos 3.650 metros acima do nível do mar. A história do principal torneio sul-americano mostra que, para os clubes brasileiros, La Paz é uma fortaleza quase impenetrável.

Desde 1960, quando a Libertadores da América teve sua edição inaugural, os times do Brasil já disputaram 26 partidas na capital da Bolívia. O retrospecto não é bom para nossos clubes: foram 13 derrotas, sete empates e seis vitórias. Mas há um detalhe importante a ser ressaltado: metade desses triunfos foi obtida nas quatro primeiras visitas brasileiras a La Paz (com o Santos, em 1962, o Palmeiras, em 1974, e o Grêmio, em 1983). Em tempos recentes, a situação ficou bem mais complicada.

Nos últimos 12 anos, foram 12 partidas de equipes do Brasil em La Paz, e apenas uma vitória. O autor da “façanha” foi o Atlético-MG, que na Libertadores de 2013, aquela em que o Galo conquistou o título, derrotou o The Strongest por 2 a 1, na fase de grupos. De resto, foram oito vitórias bolivianas (sempre de Bolívar ou The Strongest) e três empates.

A altitude da cidade é a óbvia explicação para o fracasso brasileiro em La Paz. Os atletas não acostumados a essa condição se cansam muito rapidamente (isso quando não passam mal), e ainda há o problema da velocidade da bola, muito maior do que em locais mais baixos.

O técnico Geninho, atualmente no ABC, contou certa vez que viveu uma das situações mais bizarras de sua carreira na capital da Bolívia. Em 2002, ele era o treinador do Atlético-PR em um jogo contra o Bolívar, pela fase de grupos da Libertadores, em que seu time foi para o intervalo vencendo por 5 a 1 e terminou empatando por 5 a 5. O relato de Geninho é impressionante: “No segundo tempo, meu time parou de jogar. Não conseguia mais correr. Houve um momento em que o Kléberson (volante campeão do mundo naquele ano) chegou perto da lateral e eu gritei com ele, mas ele não respondeu. Parecia desligado do mundo, olhando para o além. Era a falta de oxigênio”.

Nas primeiras décadas da Libertadores, os clubes brasileiros conseguiam se impor em La Paz porque a diferença técnica para os bolivianos era descomunal, mas essa distância diminuiu com o passar do tempo e, nesse cenário, a altitude passou a ser decisiva. Além disso, o fator mental também é importante, pois os jogadores do Brasil normalmente morrem de medo dos tais 3.650 metros e já entram no campo do Hernando Siles, principal estádio da cidade, com receio do que pode acontecer durante a partida.

Nesta quarta-feira, o Santos repetirá uma estratégia que virou padrão para as equipes brasileiras que vão jogar em La Paz: chegar à cidade poucas horas antes do jogo, pois os especialistas no assunto afirmam que isso diminui o prejuízo físico causado pela altitude. O problema para os santistas é que, pelo visto nos últimos anos, essa estratégia, apesar de contar com base científica, não funciona muito bem.

O BRASIL EM LA PAZ

Todos os jogos de clubes brasileiros na capital boliviana pela Libertadores:

1962 – Deportivo Municipal 3 x 4 Santos
1974 – Deportivo Municipal 0 x 1 Palmeiras
1974 – Deportivo Municipal 1 x 1 São Paulo
1983 – Bolívar 1 x 2 Grêmio
1983 – Bolívar 3 x 1 Flamengo
1992 – Bolívar 1 x 1 São Paulo
1992 – Bolívar 1 x 1 Criciúma
1995 – Bolívar 1 x 0 Palmeiras
2000 – The Strongest 4 x 2 Palmeiras
2000 – Bolívar 4 x 0 Atlético-MG
2002 – Bolívar 5 x 5 Atlético-PR
2003 – Bolívar 1 x 0 Grêmio
2003 – The Strongest 0 x 2 Corinthians
2004 – The Strongest 0 x 2 São Caetano
2005 – Bolívar 4 x 3 Santos
2005 – The Strongest 3 x 3 São Paulo
2006 – The Strongest 1 x 0 Goiás
2012 – The Strongest 2 x 1 Santos
2012 – The Strongest 1 x 1 Internacional
2012 – Bolívar 2 x 1 Santos
2013 – Bolívar 4 x 3 São Paulo
2013 – The Strongest 1 x 2 Atlético-MG
2013 – The Strongest 2 x 1 São Paulo
2014 – Bolívar 1 x 0 Flamengo
2015 – The Strongest 3 x 1 Internacional
2016 – The Strongest 1 x 1 São Paulo

Veja os gols da última vitória brasileira em La Paz na Libertadores:




Comments

comments